Resenha|| O fundo é apenas o começo, Neal Shusterman



"As coisas que sinto não podem ser traduzidas em palavras, ou, se podem, são palavras numa língua que ninguém pode compreender."


Título: O Fundo é Apenas o Começo
Autor: Neal Shusterma
Editora: Valentina
Páginas: 272
Ano: 2018
Adicione ao Skoob

Uma poderosa jornada da mente humana, um mergulho profundo nas águas da doença mental.
CADEN BOSCH está a bordo de um navio que ruma ao ponto mais remoto da Terra: Challenger Deep, uma depressão marinha situada a sudoeste da Fossa das Marianas.
CADEN BOSCH é um aluno brilhante do ensino médio, cujos amigos estão começando a notar seu comportamento estranho.
CADEN BOSCH é designado o artista de plantão do navio, para documentar a viagem com desenhos.
CADEN BOSCH finge entrar para a equipe de corrida da escola, mas na verdade passa os dias caminhando quilômetros, absorto em pensamentos.
CADEN BOSCH está dividido entre sua lealdade ao capitão e a tentação de se amotinar.
CADEN BOSCH está dilacerado.
Cativante e poderoso, O Fundo é Apenas o Começo é um romance que permanece muito além da última página, um pungente tour de force de um dos mais admirados autores contemporâneos da ficção jovem adulta.

Quando penso em Neal Shusterman é impossivel não rememorar suas obras tão aclamadas: O ceifador, Fragmentados e o seu mais recente lançamento, aqui no Brasil: O fundo é apenas o começo. Com toda certeza, a editora valentina trouxe uma legião de fãs do gênero para ler mais uma obra brilhante- não tem outro adjetivo! Eu sou muito grata por isso, porque este livro entrou para o meu favorito da vida!

Você já se imaginou preso em sua própria mente? Não é tão fácil, mas Caden consegue mostrar todas as suas pertubações e seus medos. Um jovem de 15 anos que começou a agir de forma estranha. Aliás, ele estava com muito medo e acreditava que as pessoas ao seu redor que tinham mudado. Seu medo aumentou quando se aproximou do seu mais novo amigo! Andava para cima e para baixo com ele e isso o fez acreditar que alguém estava planejando algo perigoso.

Em uma confusão mental, o garoto não consegue distinguir realidade e fantasia em paralelo. No mundo real ele é apenas um estudante de ensino médio que anda com medo de algo muito grave o aconteça. Ele se sente deslocado e isto o põe em risco, porque suas teorias de conspiração apenas aumentam a sua fragilildade mental.

No outro mundo, o jovem vive uma aventura intensa como tripulante. Ele está prestes a embarcar na superfície mais profunda da terra: Challenger Deep. O capitão do navio é perigoso, toda a tripulação fica assustada com a dureza que este homem trata as pessoas. Ainda nesse mundo, Caden é um artista encarregado de tecer por meio dos desenhos essa jornada. Até que ponto esse jovem irá definir o que é ou não real?



Neal escreveu uma obra esplêndida para tratar sobre uma doença mental, de maneira que o leitor compreenda a temática e até mesmo mergulhe na cabeça de Caden. Os pais do garoto não passam desapercebidos, pois eles sabem que há algo de errado com o garoto e não pensam duas vezes em buscar ajuda médica. Quando o menino é internado fica ainda mais confuso e não sabe ao que está sendo submetido. Fica claro que os pais se importam o suficiente para saber que o seu filho precisa de ajuda. Na vida real sabemos que não é bem assim. Alguns pais tem resistência em aceitar quando algo está diferente,

Um ponto que me atraiu foi a confusão a qual somos submetidos no inicio e a clareza no final. Descobrimos que a jornada que Caden viveu no navio tem uma clara relação com aquilo vivenciado no hospital. Nenhum recurso colocado no livro é à toa. E como eu amei essa narrativa!

A escrita vicia e nos comove do início ao fim. Está claro que a nossa sociedade ainda tem dificuldades para aceitar profissionais da área de Psicologia e que só eles podem traçar um caminho que nos faça voltar. Por isso, o autor nos faz mergulhar em sentimentos de: desespero, agonia, e terror para entender como o jovem ficou preso em sua própria mente e as dificuldades que ele tem de sair dela. São raras as narrativas que abordam tão bem temáticas com Esquizofrenia. Os capítulos curtinhos nos ajudam a entender o percurso e o avanço da doença. 

Confesso que me doeu ver Canden ser internado e não poder fazer nada. Sei que era necessário! Por fim, recomendo a obra para os amantes da escrita e da obra do Neal Shusterman. A editora Valentina mais uma vez nos presenteia com uma obra que é linda por fora e ainda mais por dentro!
“Minhas doença nos arrastou para mil fossas, e embora a minha tenha sido a das Marianas, não vou minimizar a provação por que a minha família passou. Nunca vou esquecer que meus pais vieram ao hospital todo santo dia, mesmo quando era óbvio que eu estava em outros lugares. Nunca vou esquecer que minha irmã caçula segurou minha mão e tentou compreender como era estar em outros lugares.”



Um comentário:

  1. Eu gosto muito de livros com temas de psicopatologias. Esse com certeza já foi adicionado na minha lista ��

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.