Amiga íntima das crônicas|| A vida é algo muito frágil

"Quanto maior a armadura, mais frágil é o ser que a habita..."

É triste ver como a vida é uma coisa muito frágil, é como se fossemos uma folha de uma árvore que em determinado momento perde a vida, a cor e despenca seca, se torna sujeira e logo é varrida. 

Estamos indo e vindo por ai, saindo com o marido e os filhos, indo a uma festa, visitando a família, os filhos, os netos, o sobrinho que acaba de nascer, voltando ao trabalho, viajando de avião, de carro, de moto, indo as compras, o salão, a barbearia ou até mesmo a sós em casa, tomando banho, assistindo algo, deitado na cama, no sofá, no chão... a morte vem e nos espera cair no chão murchas e sem cor. Um acidente, um incêndio,uma doença, um disparo... talvez demore, ou talvez acabe na mesma hora, o fato é que a vida é mesmo algo muito frágil. 

Sabe, talvez a morte não seja algo tão ruim assim, quando se é feliz todo dia, quando se tem o que se deseja. Eu sei, estão prestes a me dizer: " O ser humano nunca está satisfeito com aquilo que tem, sempre deseja algo a mais ", todos os dias nós almejamos coisas grandiosas ou até pequenas, é normal e não há nada de errado em desejar ser alguém melhor, mas não falo disso. 

É que mesmo que eu não seja metade do que quero ser, metade do que quero ter, eu sei o que eu queria por hoje, eu sei o que me faria feliz hoje e que inclusive está ao meu alcance e por razões bobas eu acabo não fazendo, eu permaneço inerte. Talvez a morte fosse menos ruim. se naquela hora. eu percebesse que tinha dito aos meus pais o quanto os amo, tinha comido aquela torta de chocolate, tinha deixado meu cabelo bonito e usava o vestido floral mais bonito do guarda roupa, tinha ouvido a minha música favorita, tinha falado com Deus e tinha sido grata, tinha beijado mais os meus filhos e o meu marido, tinha sido acordada com o filhote de cachorro que adotei e que é um amor...

As vozes ecoam pelos cantos da cidade "ser feliz é só questão de ser o que se é", morrer feliz é ter certeza de que ao menos as pequenas (e talvez grandes) coisas nós alcançamos.

Um comentário

  1. Oi! Que forte essa crônica, realmente não podemos deixar de fazer as pequenas coisas da vida, que são as mais importantes. Que é amar e cuidar de nós mesmos e da nossa família. Adorei! Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir