Resenha|| A Ilusão do tempo





"Ela entendeu que não queria ser eterna, queria ser a princesa na chuva, na neve, no vento, na primavera, no inverno e no outono. Ela queria ver os dias cinzentos para compreender os dias ensolarados."



Título: A Ilusão do tempo
Autor: Andri Snaer Magnason
Editora: Morro Branco
Ano: 2017| Páginas:320


Quando as coisas não vão nada bem e os economistas preveem uma enorme crise financeira, a família de Vitória – assim como o resto do mundo – decide se esconder em suas misteriosas caixas pretas à espera de tempos melhores. No entanto, após vários anos, a caixa de Vitória se abre e a menina se vê em uma cidade em ruínas.Sem rumo, ela caminha por prédios e ruas tomadas por florestas e animais selvagens, até chegar à uma casa onde crianças se reúnem em torno de uma senhora para ouvir a história de um rei ganancioso que conquistou o mundo, mas desejava conquistar o tempo. Para poupar sua bela princesa dos dias escuros e sombrios, normais ou sem valor, ele a coloca em uma caixa mágica transparente como cristal, mas feita de uma seda de teia de aranha tão densa que o próprio tempo não consegue penetrar.
 

De todos os livros que li esse ano, A Ilusão do tempo me fez querer ter mais tempo para relê-lo! Como o próprio título sugere, a obra deve ser lida com muita atenção e despretensiosamente. Uma leitura gostosa e saudável, que nos faz refletir sobre as várias situações do cotidiano e perceber como o ser humano não tem controle sobre o tempo. Lançado pela Editora Morro Branco, o livro conta com um enredo simples e cativante, que move e nos impulsiona a conhecer o desfecho dessa estória.

  "Em toda parte, era a mesma história: casas-fantasma, ruas-fantasma e cidades-fantasma. Tudo abandonado e vazio, mas o mundo em si estava longe de estar morto, estava verde e exuberante, com seus asfaltos e concreto encobertos por florestas. O mundo com certeza tinha sido enfeitiçado."
Uma crise econômica se atém durante o enredo. Os pais de Vitória acompanham tudo pela TV, assim como os seus vizinhos. Os economistas dizem que uma grande crise se aproxima e será preciso fôlego para passar por tudo isso. O pior de tudo é que a garota não consegue entender bem a situação e fica chateada por não ter atenção dos seus pais. Isso nos faz refletir sobre a realidade do nosso mundo e como os adultos não tiram tempo para reviver sua infância. Muitos tem filhos, mas a atenção se volta ao trabalho, as obrigações diárias. Os pequenos são deixados de lado, e quando adultos eles fazem o mesmo!

Para resolver ou melhor para vedar os sintomas da crise... entre os comerciais da TV aparece uma caixa do tempo: TIMAX. A promessa trazida pelo produto é que você pode hibernar e não vivenciar a crise, ou seja, passar por ela sem perceber. Com isso, Vitória observa atentamente os passos do seu pai. Quando menos espera, ela o vê montando uma caixa  enorme e em questões se minutos ela é obrigada a entrar dentro deste estranho compartimento. Ao fechar a tampa, ela nem imagina o que poderá encontrar dentro desse mundo "invertido". Se deixando levar por altas expectativas Vitória abre os olhos e percebe que esse mundo é "maluco".

A primeira coisa que a tira do sério é: estar perdida. Sem os seus pais. Além do mais, ela se depara com sua casa abandonada, cheia de animais e plantas. Uma verdadeira arapuca que precisa ser desvendada. Está claro que a natureza manda nesse lugar. Mas, o que seria tudo aquilo? Absorta em seus pensamentos, Vitória encontra um menino que leva até Rosa: uma mulher misteriosa que abriga as crianças perdidas. Na tentativa de acalmá-las, a mulher começa a contar uma estória sobre a criação de Pangeia e de uma linda princesa de nome Obsidiana. É incrível como a princesa tem relação direta com todos os acontecimentos presente na realidade de Vitória. Em meio a narração nós embarcamos como personagens em um enredo que nos comove e move a refletir sobre a preservação dos recursos naturais. Que tal conhecer um pouco mais sobre Obsidiana?

"_ O problema é que as caixas facilitaram a procrastinação - disse Rosa - Tornou-se muito fácil adiar a solução dos problemas. É como se deixar beliscar de leve, gentilmente."

A Ilusão do tempo me tirou de uma ressaca literária enorme. Não consegui me apegar ao livro e aos personagens no primeiro momento, mas mantive a mente aberta para conhecer cada um dos personagens e tentar entender um pouco mais sobre o enredo. EU AMEI.

Incrivelmente madura, Vitória nos cativa por ser uma menina adulta para idade dela. Por pensar mais do que seus próprios pais, ela vê o mundo em que vive de um jeito diferente. Enquanto seus pais se preocupam com dinheiro e tudo mais, ela só quer manter sua família unida e não perder o tempo com coisas vãs. Isto é bem uma realidade de hoje. Principalmente com o pouco tempo que nós temos para as pessoas, para hobbies e outras coisas.

Os capítulos não são longos e isso ajudou muito manter o equilíbrio e não perder o foco da leitura. A escrita da autora é agradável com toques infantis que nos lembra a infância e os contos de fada. A sacada maior do livro é justamente essa: nos fazer pensar como crianças, para que assim sejamos sinceros com a realidade que nos cerca. Você já se perguntou qual criança não é sincera? Pois então. O livro tem essa pegada genial em nos fazer abrir a mente para nossa própria sinceridade. 

A diagramação como um todo está lindíssima e a capa traduz bem a ideia central do livro. Sem que você perceba vai se apaixonar por uma obra em que o tempo é inevitável.


                                       Onde comprar: Amazon

13 comentários

  1. Oi.
    Achei legal essa reflexão que o livro instiga sobre nunca termos tempo para o que é mais importante. E gostei muito dessa capacidade que a obra tem de nos fazer enxergar o mundo através dos olhos de uma criança.
    Gostei e anotei a dica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bom?

    Gostei muito da proposta, pois eu nunca li nada assim. Entrar em uma caixa do tempo para esperar um mundo melhor, hibernando? E a Vitória é obrigada a entrar dentro da caixa e não imagina do que encontrará no mundo "invertido" (referência a Stranger Things? rs).
    Ter uma personagen que é uma "menina adulta" que se preocupa em manter a sua família unida é algo cativante. Realmente, quando crescemos temos tantas preocupações que esquecemos como ser crianças ou simplesmente mostrar para ela o nosso "mundo". Adorei saber que te tirou de uma ressaca literária enorme, pois agora já sei o que ler quando isso acontecer comigo, rs. Parece ser um livro encantador que eu amarei ler.

    Enfim, adorei a resenha, obrigada pela indicação :)
    Abraços.

    https://instantesmemoraveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Menina que enredo intrigante esse. Gosto da ideia de mundo invertido, ainda mais quando nos faz refletir sobre algo.
    Não tinha conhecimento do livro, mas anoto a dica, parece ser ótimo.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    O livro parece leve e diferente.Embarcamos em um olhar infantil e que nos mostra a realidade do olhar dos pequenos,que adultos não vêm.
    Vivendo em seu mundo de ganância.
    Adorei conhecer esse livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oii!!!
    Não conhecia esse livro ainda e achei a capa dele tão bonita.
    Gosto muito de leituras leves, principalmente depois de uma ressaca que foi o seu caso. Livros que são narrados por crianças eu gosto demais, sério. Já li vários e já vou acrescentar este na minha lista. Fiquei curiosa para saber mais dessa caixa do tempo, conheço muita gente que gostaria de usar ela neste exato momento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bem?
    AMEI essa resenha e esse livro já foi pra lista de desejados!
    Amo utopias, e essa parece ser uma narrativa bem poética, adoraria conferir e realizar a leitura. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  7. Meu amor preferido ♥
    Você não tem ideia de como fiquei feliz quando soube que você tinha lido esse livro. Ele é incrível em todos os sentidos. Ele envolve, faz pensar, faz amar e odiar na mesma proporção e nos dá uma baita de uma ressaca literária. Eu fiquei muuito feliz por você ter gostado tanto assim dessa leitura e por partilhar comigo da ideia de querer reler esse livro. Vamos reler juntas?
    Sua resenha está incrível, amei ♥
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  8. Olá,

    Nunca li nada da Morro Branco, entretanto morro de curiosidade graças aos comentários incríveis sobre as obras publicadas pela editora. Espero ler esse livro, pois a premissa dele me chamou bastante a atenção, com certeza irei gostar dessa leitura.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi, Amanda! A premissa do livro promete! Meio que sai do comum que estamos acostumados quando se trata de fantasia, gostei bastante! Dica adotada!
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  10. Ainda não conhecia o livro e fiquei encantada com a capa e as fotos que você inseriu na resenha valorizaram ainda mais o livro.
    Fiquei muito curiosa com essa coisa da autora nos levar a pensar como crianças e já quero essa experiencia de leitura pra mim.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Nossa, o livro parece mexer com a gente. Ainda mais com essa visão que ele nos dá. A resenha esta ótima, mas amei as fotos que vc colocou. Dica anotada. Bjs, Tell me a Book

    ResponderExcluir
  12. Oi, Amanda!
    Acho que nunca li nenhuma título da Morro Branco, mas esse com certeza entrou na minha lista depois da sua resenha -- e a personagem ainda é minha chará haha. Fiquei bastante curiosa para conferir o estilo de escrita na tramaa, além disso, histórias que nos fazem refletir sempre são a minha fraqueza.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oi.

    Nunca li nada dessa editora. Sempre vejo alguns livros do catálogo deles é todos me parecem ser bem legais. Esse eu ainda não conhcia, mas vai ficar junto dos outros livros que quero ler da editora.

    ResponderExcluir