RESENHA|| UMA JANELA PARA O CÉU


Título: Uma janela para o céu| Editora: Novo Século| Autora: Marina Machado
Ano:286| Páginas: 2017

Julyana Barocci é o perfeito retrato da mulher contemporânea: ela é determinada, bem-sucedida e tem o emprego dos sonhos. Agora, aos 35 anos, percebe que conquistou tudo o que queria. Bem, quase tudo. Quando o assunto é relacionamentos, o retrato não é tão fiel assim.
Em Uma janela para o céu, Julyana narra com bom humor suas aventuras e inseguranças na busca por seu par ideal. Com o súbito aparecimento de seu pai desconhecido, ela descobre os fatos que a fizeram se separar do único namorado a quem amou de verdade – e de quem ficou separada por vinte anos.
Essa visitinha do passado veio para esclarecer questões mal-resolvidas ou para complicar a vida de Julyana de vez?
“Sou Julyana Barocci, uma mulher de 35 anos, bonita, independente, mas em crise existencial e, a partir deste milésimo de segundo, solteira. Gostaria de virar a ampulheta para que as areias da minha vida provocassem um efeito “Benjamim Button”.

Uma janela para o céu chegou no momento em que eu mais precisava, pois fui tocada pela vida de uma personagem que por fora parecia feliz, mas por dentro, ainda lhe faltava algo! Lançado pela editora Novo século, cuja autora Marina Machado descreve com clareza de detalhes a vida de um ser humano que não se encontrou totalmente: a Julyana. Apesar de independente e focada em atingir seus sonhos, ela mal sabe lidar com o seu emocional.

Julyana queria ter uma família estruturada, mas ela não tinha culpa alguma das coisas que lhe aconteceram. Ela nunca conheceu o seu pai, e tinha um desejo enorme de saber quem era esse homem. Por outro lado, sofreu rejeição da sua mãe desde o ventre, pois ela tinha sido resultado de uma aventura de carnaval: um gringo que seduziu a sua mãe e trouxe July ao mundo. A família nunca aprovou, e este foi um dos vários motivos para não ter o amor materno como desejava. 

Aos 35 anos ela aparenta ter uma imagem sociável e com um belo status. Tem tudo o que desejou. Ou não... Nem tudo é o que aparenta, pois ela está ansiando um relacionamento que dure, e que seja verdadeiro, pois nada até então havia sido verdadeiro para ela. O seu maior sonho era poder contar com a sua família e tê-la como base, não apenas para os bons momentos, mas também, para os ruins.

“As frustrações fazem parte da vida, são com elas que crescemos e nos tornamos pessoas melhores. Faz parte do amadurecimento, nos dá força para seguir.”

O inesperado acontece, e o seu pai, aparece de surpresa em sua vida. Lhe trouxe à tona todos os fantasmas do passado que a cegavam e a impediam de um equilíbrio emocional. Assustada e desnorteada, July tem a sua chance, é a sua hora de conhecer aquela pessoa a quem tanto sonhava. Será que ela era merecedora dessa chance? Outras verdades virão à tona, e July terá que ter forças para suportar tudo isso!


Eu fiquei encantada com o enredo e o modo que a Marina agregou certo drama a seu livro. Não há apenas uma coisa que afeta a vida da July, mas várias. O pior é que isso deixou o seu emocional desequilibrado, o que a torna ainda mais insegura. Ela foi privada de muitas coisas em sua vida, e uma delas é o relacionamento sincero com sua mãe. Esther, a mulher que a gerou, guarda muitas coisas- isso a torna uma mentirosa e menos mãe? Sem dúvidas foi algo que precisei ler até o final para descobrir. Há sim um julgamento inicial que nos faz ter raiva dela, mas é possível entender no desfecho o por que a sua mãe silenciava diante do assunto: paternidade.

Outro ponto que não poderia deixar de citar é que ela desconfiava que o seu namorado lhe trai! Isso nos diz muito, porque ela de fato busca algo verdadeiro e acredita que só irá encontrar no seu verdadeiro amor: o seu pai, Romeu. Por outro lado, ao viajar com o seu chefe, ela vai descobrir que não será tão fácil resistir a um homem comprometido. Ambos tem muito em comum, e ela vai ter que tomar decisões difíceis.

Com este livro aprendi que sou um ser humano inseguro, mas isso não me torna uma pessoa fraca ou frágil; muito pelo contrário, me tornou mais forte para seguir em frente e saber assumir para alguém como estou por dentro, porque nem sempre vamos guardar tanto peso em nossas costas. Alguns fardos precisam ser divididos, e era isto que Julyana estava precisando para sua vida.

Descobri também que o título remete a um lugar e não algo que iria acontecer com a personagem. O senhor "google" me disse que a Janela para o céu existe, e está localizado em Minas Gerais (preciso conhecer Ibitipoca com urgência!). Que lugar maravilhoso e lindo para viver novas aventuras ( declaro que vi apenas as fotos). A July acertou em cheio ao desejar respirar novos ares!

Marina sua escrita é incrível, e eu me vi na pele da Julyana por todas as coisas que ela viveu, mas principalmente pelo relacionamento que ela desejava ter entre os seus pais, e não tinha. Às vezes, me pego desejando uma afinidade/afetividade maior com os meus pais, por outro lado, sei que eles me amam, mas sempre haverá coisas que irão esconder para nos proteger. Mas eles não sabem que a dor da mentira pesa muito mais que a verdade. 



O enredo, ambientação, diagramação e capa me agarraram como um todo. Uma janela para o céu me fez viver boas sensações das quais eu precisava experimentar: o novo. Por isso leia sem medo de decepção, pois são satisfatórias as reflexões trabalhadas pela autora. É aquela obra que te faz pensar sobre a vida, sobre tua família, sobre um relacionamento amoroso, e principalmente sobre a "casca" que mantemos por fora, e não a quebramos para deixarmos transparecer quem de fato nós somos por dentro.  

“Tudo passa! O vento, a chuva, o furacão e, então, surge um sol brilhante, o qual te mostra que hoje é um novo dia e que sua vida somente engrandece, se você mudar.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

® Faces em Livros | Layout por A Design - Ilustração por Graciele Paiva