RESENHA|| DUMPLIN'

                                                 Título: Dumplin'| Autor: Julie Murphy| Editora: Valentina


                                              Ano: 2017| Páginas: 300
Avaliação:
Onde comprar: Amazon, Saraiva e Submarino

Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação. Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre. Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo...




Quando se fala de empoderamento feminino, a primeira coisa que pensamos é a voz feminina que atua no social e que enfrenta os preconceitos e quebra tabus. Dumplin' é o resultado de coragem, força e busca por essa mulher que não se baseia pela aparência, que se sente segura com sua personalidade e não acha que um corpo pode definir quem você é ou quem pode ser. Esta obra maravilhosa foi lançada pela Editora Valentina, em 2017. Suas mais de trezentas páginas nos emocionam como também nos encoraja a ser quem somos. E, foi isso mesmo que Willowdean Dickson fez: se amar antes de tudo e qualquer opinião social.

Viajamos por uma pequena cidade do oeste americano, em que a nossa protagonista vive. Como sabemos, uma parcela mínima de moradores sempre dá o que falar e a fofoca rola solta no quesito: vida alheia. Mas, de verdade, Willowdean nem liga tanto para o que falam dela. Sua doçura e simpatia nos faz vibrar. Por outro lado a sua personalidade forte, ela se acha gora, e pouco sedutora para namorar. A sua amiga Ellen- magra e com longas pernas- sempre teve atenção dos garotos da escola por sua beleza nada convencional.

- Minha mãe é doida de pedra. Desculpe. 


Tento engolir, mas minha boca está seca feito um deserto. Ninguém jamais tinha dito isso sobre mim e mamãe. Era sempre em relação da Lucy. Você se parece com sua tia. Não me envergonho disso, mas gosto da ideia de ter puxado à minha mãe.

Somado a essas questões, ela ainda tem que conviver com o título que a sua mãe carrega: a ex-campeã de um concurso de beleza no Miss Jovem  Flor do Texas.  Só que essa garota é muito forte e maravilhosa! Tudo o que ela se tornou, aprendeu com a sua tia- que faleceu a seis meses- sobre amar a si mesmo, inclusive a Dolly Parton e suas músicas deliciosas.

Sua vida sempre foi muito linear. Trabalhar-casa-escola. Nada de empolgante. Por isso ela nunca pensou que namoraria com ninguém, muito menos com o cara que ela acha lindo! O improvável acontece e as trocas de olhares com BO, o cara maravilhoso por quem se sentia atraída se aproxima dela.


Sabe o que é TODOS os medos aparecerem de uma vez só? Foi isso que aconteceu. Willow nunca pensou sobre as questões de sexualidade devido a se achar obesa. Seu psicológico fica confuso e o desafio agora é quebrar todas as barreiras. Ela toma a difícil decisão de participar de um dos concursos de beleza mais famosos da sua cidade e mostrar que a beleza vem de dentro! É tão fácil escolher a nós mesmos, mas a pressão social complica o modo como devemos pensar acerca das coisas. Como será que Willow vai se sair nesse concurso?

MARAVILHOSO! Julie Murphy nos escreve uma história de superação, coragem e principalmente: voz ativa da personagem feminina. Nos momentos em que Willow levava um "não" ela dava a volta e mostrava o por que merecia o "Sim".


Esse livro falou direto ao meu coração. Não é só as pessoas gordas que passam por dificuldades não, tá?! Sou magra e sofri muito preconceito quando criança e adolescente pelo meu tipo físico. Essa obra me fez lembrar o que precisei passar para ser quem eu sou hoje: decidida. Não precisamos ser quem os outros querem que sejamos. Pega uma espelho, olha para ele e vê a beleza que você é! Faz uma listinha de todas as qualidades que você tem. Olha a teu redor quem são as pessoas que te amam e pergunta a elas o por que. Tu vais perceber a grandeza que tens.

Nem preciso revelar mais sobre a personagem. Ela é forte! 

Fiquei apaixonada com a capa, a diagramação e cuidado que a Valentina teve em divulgar uma obra de um esplendor sem tamanho. Foi uma experiência maravilhosa  e tive que compartilhar com uma amiga muito querida (ela vai ler e saber que foi para ela. Não é gorda nada- e não é!). Aos que tiverem a oportunidade e curiosidade para conhecer mais sobre personagens femininas emponderadas e até mesmo a escrita da Julie- Dumplin' é uma obra enriquecedora.



Para finalizar tenho que dizer o quanto fiquei apaixonada por essa cidade pacata. Na ambientação descrita nos podemos visualizar bem como é a rotina desses moradores. Por isso é preciso expandirmos nossos horizontes de leitura e quebrar mesmo tabus sociais que em pleno século XXI chega precisa extinguir.

- Não. Acho que já o assumi. - Às vezes, descobrir quem você é implica entender que o ser humano é um mosaico de experiências. Eu sou Dumplin', Will e Willowdean. Gorda. Feliz. Insegura. Corajosa.

12 comentários:

  1. Olá! Esse livro está na minha meta de leitura! É a primeira vez que leio uma resenha dele e adorei! Já tinha cotado ele na minha lista, agora talvez eu até coloque ele na frente da pilha. rsrs
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda, essa é segunda resenha deste livro que leio hoje e só reforçou ainda mais a minha vontade de ler. Eu acho que independente de nossa forma física, todos nós nos identificamos um pouco com a personagem.
    Ótima resenha.
    Bjos
    Vivi

    ResponderExcluir
  3. Adorei a sua resenha! Parece ser um livro muito interessante, divertido e envolvente, estou curiosa para ver a Willow arrasar no concurso e mostrar para todos que ela pode sim participar de um concurso de beleza, se acreditar nela mesma. Vou anotar a sua dica com certeza, bjss!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Já é a segunda resenha que leio desse livro e já sei que tenho muitos pontos em comum com a personagem. Só por esse fato já estou ávida pela leitura e como terá bienal na minha cidade, vou aproveitar a oportunidade e adquirir meu exemplar. Também estou ansiosa pela adaptação dele!

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  5. Oii, tudo bem?
    A cada resenha que vejo desse livro minhas vontade de lê-lo só aumenta. Amo personagens femininas fortes e tenho certeza que irei gostar desse livro. Amei a resenha!
    Beijos,
    Karina.
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Estou morrendo de vontade de iniciar essa leitura.
    Achei bem interessante a premissa e sua resenha só aguçou minha vontade de ler. Sem dúvidas uma protagonista cheia de estilo e que ainda traz tantos temas importantes para aceitação pessoal.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Oiii!

    Acho que essa é a quarta resenha seguida que leio para essa obra mais eu ainda não consegui comprar ele!
    Adorei esse enredo, adorei a forma como cada leitor se sentiu tocado de uma forma ou outra, é muito bacana isso
    Dica mais que anotada!

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem? Tenho muita vontade de ler esse livro, pelas resenhas que já li. A sua, como as outras, também me convenceu a lê-lo, obrigada. Gosto de narrativas que nos inspirem a lembrar quem somos e a lembrar que, independentemente de como os outros nos veem, só a gente pode se auto-afirmar. Achei muito legal a quarta-capa ter imagens de mulheres reais fora padrão estético, acho que apenas reforça o poder do livro. Eu sempre fui magrinha, até hoje sou, e continuo motivo de piada entre muita gente, mas acho que a gente tem que entender o que é lugar de fala. Por mais que tenhamos empatia com algo não devemos dizer que "puxa, eu também sofri", se o sofrimento não é o mesmo. Obviamente, nós, magrinhas, sofremos, mas nunca será o equivalente a que pessoas fora do padrão sofrem.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. 'Não é só as pessoas gordas que passam por dificuldades não, tá?! Sou magra e sofri muito preconceito quando criança e adolescente pelo meu tipo físico. ' olha, eu era muito magra, absurdamente magra, 48 quilos, e sofri nos grupos sociais que passava por isso. hoje, eu sou gorda e não se compara o tipo de preconceito que sofre, no caso, gordofobia. Tem um detalhe, eu era uma magra doente, hoje sou gorda saudável hehehehehehehe... mas no geral, concordo com você, se a pessoa não estiver dentro do padrão de beleza, ela vai sofrer algum tipo de preconceito. Já pensou se todo mundo resolvesse mandar esses esteriótipos para o inferno? Ia ter tanta indústria falindo... Essa questão do preconceito está fortemente ligada ao capitalismo, sem ele o capitalismo não se sustenta. parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  10. Olá!!

    Eu estou louca para conferir essa história, depois da sua resenha essa vontade só fez aumentar. Vou comprar na Bienal essa semana e pretendo ler o mais rápido possível. Adorei saber a sua opinião.

    Beijos e Sucesso!!

    ResponderExcluir
  11. Oiee!!
    Venho lido muitas resenhas sobre esse livro, e já estava pensando em ler. Mas a sua foi a que definitivamente fez ele entrar pra lista!
    Ansiosa pra adquirir meu exemplar ><
    Beijs

    ResponderExcluir

® Faces em Livros | Layout por A Design - Ilustração por Graciele Paiva