RESENHA|| QUANDO TINHA CINCO ANOS EU ME MATEI



Título: Quando tinha cinco anos eu me mantei|Autor: Howard Buten |Editora: Rádio Londres (Cortesia)|Páginas: 185| Ano:2016
                                                                               
                            
              
A voz narradora desta história pertence a Burt, um garoto de oito anos com uma imaginação fecunda e que se expressa por meio de uma linguagem livre, rebelde, misteriosa e, por isso mesmo, incompreensível aos homens de bata branca do Centro de Internamento Infantil no qual está preso, por conta do que fez a Jessica. Eles o assediam, insistem, de modo compulsivo, em ler sintomas clínicos em suas fantasias e tentam submeter seus impulsos infantis aos ditames da moralidade adulta. Uma prosa maravilhosamente eficaz, um romance hipnotizante e cheio de momentos de pura emoção.




Como foi a sua infância? Foi boa? Problemática ou tranquila? É certo que a melhor fase na vida do ser humano é a infância. É por meio dela que carregamos as maiores lembranças, sejam elas boas ou ruins ficará marcada para sempre, pois o próprio cérebro (novinho em folha) tem uma tendência muito maior de guardar informações do que quando mais velhos. Nesse ponto o Burt, pequeno gênio desta obra nos narra a sua infãncia, permeada por desafios, mas também por inúmeras belezas.

"Fiquei um tempão sentado na minha cama. Só fiquei ali, sentado. Tinha alguma coisa erra dentro de mim, eu sentia isso dentro da minha barriga e não sabia o que fazer. Então deitei no chão. Estiquei o dedo indicado e apontei para minha cabeça. Aí eu fiz bum com o polegar e me matei."

Foi muito difícil terminar essa leitura sem lágrimas nos olhos. Isto porque nosso personagem principal- o Burt nos move, nos modifica e nos sensibiliza com seu modo de ver o mundo e de senti-lo. Quando tinha cinco anos eu me matei é uma obra maravilhosa, lançada pela editora Rádio Londres, cujo autor Howard Buten deu vida, com maestria, a um personagem infantil que tem um jeito tão simbólico de ver, ouvir, sentir e interpretar o mundo.

Desde cedo ele sabia que não era como seus colegas, e sem dúvidas teria uma infância difícil, por ser autista deixava as pessoas com "pena" ou lhe tratavam de forma "especial". Longe disso, Burt nos prova como é inteligente, muito mais que um punhado de adultos juntos. Mas a sua "boa" vida muda, repentinamente, quando algo terrível acontece com a sua amiga Jessica. Não encontrando outra opção, os seus pais tiveram que interná-lo, pois ele era o culpado pela menina estar hospitalizada. Mas, inicialmente, ele não lembra o por que está ali, nem mesmo o que fez para Jessica. Sua única certeza é a de que não verá sua escola, seus pais e seus amigos e sua melhor amiga, tão cedo. Desse modo, somos convidados capítulo após capítulo a conhecer profundamente o Burt, e sob o seu olhar todos os outros personagens.

Nunca imaginei uma infância tão difícil e dolorosa como a do meu amigo Burt. Sim, eu o amo. Terminei a leitura amando esse personagem com toda as minhas forças. Através dele passei a detestar os adultos que o tratavam de uma forma tão cruel. O que dizer do Dr. Nevele? A minha vontade era de caçar o diploma dele, pois não é /e nunca será digno de carregar tal título. Não tive paciência para segurar a raiva que tive dos pais de Burt, como eles puderam internar seu próprio filho por tal coisa? Não havia necessidade!


Foi impossível não se encantar com a inocência desse garotinho e não se tornar cúmplice dele. Toda a obra é narrada em primeira pessoa, ou seja, na visão do próprio Burt. É por ele e por meio dele que o conhecemos e aprendemos sobre os outros personagens que se ligam a sua estória.

Por outro lado,ficamos confusos sobre a existência da sua melhor amiga (deixo no ar), mas isso foi uma jogada de mestre do próprio autor para criar uma escrita rebelde e sem qualquer vínculo cronológico. Dessa forma, conseguimos visualizar uma fração da mente de pessoas com autismo, e nos tornamos conhecedores do assunto-ao menos um pouco!

Houve momentos em que eu desejava colocar o Burt no colo e dizer que ele não estava só. Tentar mostrar para ele que existem pessoas que o amam, e que tudo iria passar. Houve outros momentos em que o Burt era mais forte e corajoso do que eu- sendo ele criança, e eu uma adulta- chorosa e frágil. Isso foi incrível, pois nos prova o quanto um livro pode mexer com nossos sentimentos, o quanto uma criança pode marcar e mudar a nossa vida para sempre! Foi assim que me senti.

Em toda a trama Burt tem um sentimento de perda muito grande; a todo momento ele teme perder as pessoas que ama. E uma das falas mais viscerais e difíceis foi ler o próprio pai dizer que:

"Todo dia morre alguém, e ninguém sabia porquê. É assim, essas são regras."

 
Ficar pior? Sim! E você vai se emocionar. Ao terminar o livro vai abraçá-lo com todas as forças e pedir mais, só um pouco mais. Você vai desejar saber o por que de algumas coisas... E, dias depois você vai entender que foi melhor assim... Que a estória e o desfecho de Burt é único do jeito que foi escrito.

No todo, a editora está de parabéns pela revisão, capa e diagramação. O livro é compacto e permite que você o carregue a qualquer lugar. A capa chama atenção, como também a escrita do Howard. Então se você anseia em conhecer o meu amigo Burt e o mundo pelos seu olhar não deixe essa dica passar. Apesar da complexidade, não é um livro que te deixa com ressaca, mas te leva a refletir e te modifica em diversos sentidos.


17 comentários

  1. Amandinha que resenha! Saiba que cada vez me encanto mais pela suas resenhas.
    Quero desesperadamente ler e me apaixonar pelo Burt também.
    Um beijo e saudades ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi Amandinha,
    Que resenha mais extraordinária. Conheci essa obra quando você disse que estava fazendo a leitura e fiquei interessada, mas não sabia que a trama era tudo isso. Parece ser impossível não se encantar com o personagem e não sentir raiva do que os adultos fazem com ele.
    Espero que a oportunidade de ler esse livro surja e que eu possa me emocionar tanto quanto você.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Amanda, tudo bem?

    Não conhecia o livro e mal vejo os títulos da Radio Londres serem divulgados, mas imagino, através de suas palavras, o quão impactante é a obra. Vou esperar mais algumas resenhas, para então obter minha própria opinião.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Amei a resenha, já vi muita gente falando positivamente sobre o livro e tenho muita vontade de ler o livro, essa edição está lindo e amo histórias sobre crianças/infância.

    Beijinhos,
    Livros que Li

    ResponderExcluir
  5. Oi. Tudo bem?
    Confesso que essa capa não é estranha para mim, já vi em algum ligar. Agora o que é novidade para mim é a história interessante que essa capa esconde. Pelo visto é uma história muito emocionante, além de encantadora. Fiquei com muita vontade de conhecer a história, por conta do Burt. Adorei a dica e sem dúvida é uma das melhores de alguns tempos para cá. Gostei bastante da sua resenha. Muito boa.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Tinha visto essa capa e amado. Saber que é do ponto de vista de uma criança autista me deixou ainda mais curiosa sobre essa leitura.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  7. Amanda, menina, que resenha mais sensível!
    Eu ainda não li o livro e tenho curiosidade com ele, mas depois de ler uma resenha como essa é impossível eu não querer comprar o livro o mais rápido possível. Eu adorei conhecer mais sobre a trama e mesmo sabendo que vou chorar como nunca, eu preciso ler esse livro.

    ResponderExcluir
  8. Oi tudo bem?
    Que resenha incrível <3 Não sabia da existência desse livro mas fiquei super com vontade de ler parece ser daqueles livros que tocam a nossa alma e irei fazer a leitura em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Amanda.

    Que resenha mais fofa *-* pela capa do livro não imaginei que pudesse ser tão incrível.
    Espero ter em breve uma oportunidade de lê-lo, dica anotadíssima.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Olá tudo bem?Essa é a primeira vez que ouço falar sobre este livro e confesso que já estou encantada. Me interesso bastante por livros assim, que nos contam uma realidade diferente das nossas. Quero conhecer o Burt e entendê-lo, assim como você o fez.
    Já adicionei na minha lista.
    Ótima resenha, a propósito.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oie, gostei bastante da resenha, não conhecia o livro porém fiquei encantada pelo o contexto da história e pela capa.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Olá!

    Onde compro esse livro? Pelo amor de Deus, preciso dele! Livros com crianças autistas me derrubam! Não conhecia a editora, aliás, achei o nome até engraçado, rs

    ResponderExcluir
  13. Olá,

    Nunca tinha ouvido falar nesse livro e mal sabia eu o que estava perdendo. Como trabalhei numa creche e com uma criança autista, adoro livros que retratem isso, por isso fiquei mega curiosa com essa premissa. Espero ter a oportunidade de ler esse livro muito em breve, tenho certeza que irei chorar horrores também hahaha.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Eita, essa é a minha próxima leitura, estou amando essa parceria com a editora, pois possibilita entrar em contato com obras fantásticas. O título choca, imagino o restante da história, você, além de uma ótima resenha, passou emoção, eu amo isso.

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas de cara fiquei animada com a história por conta do título e conforme fui lendo sua resenha fui ficando cada vez mais curiosa. Eu gosto bastante de livros narrados por crianças e essa parece ser uma história emocionante mesmo, além disso o protagonista parece ser muito cativante, do tipo que conquista o coração do leitor mesmo. Enfim, gostei bastante da dica de leitura de hoje, vou marcar e pretendo ler em breve.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  16. Olá linda,

    Eu ainda não li essa obra, mas só de saber que é emocionante fiquei muito curiosa pela leitura. A capa e a diagramação estão incríveis também, com certeza darei uma chance.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  17. Olá Amanda!
    Não conhecia o autor, mas fiquei bem curiosa para saber o que aconteceu com o personagem para os pais interna-lo. Já meu deu um aperto pois tenho um filho quase dessa idade e não me vejo fazendo isso com ele por nada nesse mundo. Parece ser uma história que vai emocionar o leitor.
    Adorei a sua resenha.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir