RESENHA || O AMOR NOS TEMPOS DO OURO

  Título:  O amor nos tempos do ouro Autora:  Marina Carvalho | Editora: Globo Alt | Páginas: 328 | Ano: 2016

                          
           
          Onde comprar: Amazon / Saraiva


"Sabes que nunca me apaixonei, maman, mas se porventura o tivesse feito, seria por alguém como ele?"
Cécile Lavigne perdeu todos os que amava e agora está sozinha no mundo. Ela, uma franco-portuguesa que ainda não completou vinte anos, está sendo trazida ao Brasil pelo único parente que lhe restou, o ambicioso tio Euzébio, para casar-se com o mais poderoso dono de terras de Minas Gerais, homem por quem Cécile sente profundo desprezo. Após desembarcar no Rio de Janeiro, Cécile ainda precisará fazer mais uma difícil viagem. O trajeto até Minas Gerais lhe reserva provações e surpresas que ela jamais imaginaria. O explorador Fernão, contratado por seu futuro marido para guiá-la na jornada, despertará nela sentimentos contraditórios de repulsa e de desejo. Antes de enfim consolidar o temido casamento, Cécile descobrirá todos os encantos e perigos que existem nessa nova terra, assim como os que habitam o coração de todos nós. Com o passar dos dias, crescerá dentro dela a coragem para confrontar todas as imposições da sociedade e também o seu próprio destino.

“Percebo que nem os grilhões e correntes, grades e açoites são suficientes para calar a voz e a necessidade de liberdade daquela gente. São fortes, dentro de suas possibilidades.”

Cécile é uma jovem francesa que acaba de perder os pais e irmãos de uma forma bastante trágica. Sozinha na França ela é resgata pela única pessoa da família que restou, seu ganancioso e sem escrúpulos tio Euzébio, porém ele vive no Brasil e por isso manda que Cécile venha para cá e sem opção a jovem acaba embarcando no que acaba sendo a maior aventura de sua vida.

No Brasil Cécile descobre que seu tio tem um trato com um rico e velho fazendeiro de Minas Gerais, Euclides, a quem a jovem foi prometida em casamento. Acontece que a família de Cécile era bastante rica, e seu tio, a fim de se apossar da herança da jovem a promete em casamento a Euclides em troca de compensação financeira. 

Sentido-se mais uma vez sozinha no mundo, Cécile é instruída a viajar da casa do tio no Rio de Janeiro até Minas Gerais para conhecer o seu futuro marido e realizar o matrimonio. Para isso a jovem é escoltada por Fernão, um forte e destemido explorador enviado por Euclides para levá-la a Minas em segurança.

Durante o trajeto Cécile e todo o comboio enfrentam vários perigos e aventuras, ao mesmo tempo em que a jovem vai conhecendo um pouco mais da cultura brasileira bem como da triste realidade da busca desenfreada pelo ouro, riqueza e poder, bem como a triste realidade da exploração dos escravos.


“O chicote estalou nas costas dele, rasgando-lhe a pele já marcada por castigos constantes. A ferida aberta fez o sangue jorrar, logo misturado com a sujeira do couro e a poeira do ambiente.” 

É durante o trajeto também que Cécile e Fernão vão se aproximando, tomando para si a responsabilidade de escoltar e proteger de todo o período a jovem francesinha Fernão começa a perceber na Jovem mais que um herdeira bonita, mas uma jovem forte que enfrenta as adversidades de cabeça erguida e que mesmo sozinha no mundo se mantem firme e destemida.

Cécile vê em Fernão mais que um homem que todos devem temer e alguém que finalmente poderia livra-la do futuro trágico com um velho fazendeiro que só visa seu dinheiro, mas um homem forte capaz de ama-la e protege-la e alguém a quem ela finalmente poderia entregar seu coração.

“Sabes que nunca me apaixonei, maman, mas se porventura o tivesse feito, seria por alguém como ele? Imponente, forte, destemido, dono do próprio destino… E belo.”

Fernão, porém tem seu próprio código e deixar-se se aproximar de Cécile quebrando assim seu contrato de trabalho com Euclides não está em seus planos, enquanto isso ele trava uma luta consigo mesmo  e seus instintos e protege-la e toma-la para si.

“Observo-te enquanto dormes e tu não calculas o sacrifício que faço para não me aconchegar a ti e confessar o que não tenho coragem de dizer. Um homem como eu, bruto, rústico, sem berço, não deveria amar uma dama. É contra a ordem natural da vida.”

Percebendo que sua ultima oportunidade de salvação foi arruinada, Cécile segue para a casa do seu futuro marido aceitando com determinação mais uma provação que o futuro lhe reserva.

O amor nos tempos do ouro é, na minha humilde opinião, uma obra maravilhosa, não apenas pela obra em si, mas por tudo que ela engloba. A autora retrata o período com tanta fidelidade e vivacidade que é impossível não imaginar-se diante da cena. É como se estivéssemos assistindo uma cena de uma novena e sentindo a mesma angustia, alegria e dor que os personagens sentem. 

Há uma riqueza de detalhes linda que só deixa a obra ainda melhor, tanto com Cecile conhecendo e provando a cultura brasileira, como com a vida sofrida dos escravos, bem como da ambição e maldade dos poderosos. Não tem como não se envolver intimamente com a historia, como não lembrar de tudo o que estudamos ao longo da vida sobre a época da escravidão e dos tempos do ouro aqui no Brasil. A autora quis escrever mais que um romance, e conseguiu. Não há cenas melosas, não há ideias impossíveis, não há forçação de idéias. Tudo acontece de forma singela e a seu próprio tempo. Esse livro trata a vida nua e crua em um período singular da nossa história, o que torna a obra ainda mais espetacular.

Eu me encantei pela história, pelos personagens e pela escrita fluida e bela da autora, bem como pela edição do livro. A editora Globo Alt fez um trabalho lindo, as letras e o espeçamento tem um tamanho ideal e a diagramação também está belíssima. Não encontrei erros ao longo da história e a capa é um show a parte. 

Recomendo esse livro aos leitores de romance, romance de época e aos que gostam de conhecer um pouco mais sobre a história do nosso país. Esse livro é uma obra singular, mais uma parte valiosa do tesouro que é a literatura nacional.

“Minha filha, tu decides o que se eternizará em teu coração. Não te preocupes. O futuro está sendo planejado. A vida ainda não terminou.
SOBRE  AUTORA

Marina Carvalho nasceu em Ponte Nova, Minas Gerais, conhecida como a terra da goiabada. Adora queijo, rock progressivo, pudim de leite condensado, café com pouco açúcar e filmes com finais felizes. Ama ler, seja um bom livro policial, um chick-lit despretensioso ou o jornal do dia. Quando criança lia as revistinhas da Turma da Mônica, incentivada pela mãe, e ficava esperando ansiosamente pela chegada delas todos os meses. Formou-se em Jornalismo pela PUC-Minas e exerceu o cargo de assessora de comunicação de uma empresa por sete anos. Hoje é professora de língua portuguesa e literatura na Escola Nossa Senhora Auxiliadora. Mora em sua cidade natal com o marido e os dois filhos.

10 comentários:

  1. Oiii
    No começo da resenha achei que o livro "não era pro meu bico" mas assim que terminei de ler, até que me interessei pela obra. Acho legal quando retratam de forma fiel a história e também livros que nos instruam, como este que mostra muito da nossa cultura. Vou adicioná-lo a minhas lista.

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  2. Oiii, tudo bem?
    Li um livro dessa autora há muito tempo atrás e lembro de ter gostado bastante. Apesar de não ler muitos livros desse gênero me interessei pela história. Eu gosto de livros nacionais que tratam da história do Brasil, acho que iria gostar da leitura.
    Ótima resenha, beijos! <3
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
  3. Quero demais ler esse livro, amo romances históricos mas são poucos os que eu encontro que se passam no Brasil.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Ainda não conheço a escrita da Marina, mas to super afim de ler algo dela. Fiquei interessada por se tratar de um romance de época. Adoro o gênero e pela sua resenha certamente vou adorar.
    Beijod!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?
    Que bacana mais um livro nacional, ainda não conheço nada dessa autora mas depois de ler sua opinião tive que adicionar na minha lista, apesar de ainda ter problemas em me adaptar nos romances de época.

    ResponderExcluir
  6. Quando comecei a ler sua resenha, lembrei facilmente de: A Invenção das Asas
    Sue Monk Kidd, que apesar de não ser um romance como esse, nos comove pela história de dor e tristeza. Ao ver o título, antes de ler a resenha, não estava muito animada, ainda mais por ser Globo, mas gostei do título e fiquei muito interessada em fazer essa leitura! Beijos

    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  7. Faz um ano que estou com o livro na estante e não consegui ler ainda...
    Gosto de romance de época, lembro da autora falando sobre as pesquisas feitas para fazer a obra, o que eu acredito traz mais realismo a história. Espero ler em breve!

    Adorei a resenha!

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  8. Fabiana, que livro interessante! É tão bom ver livros ambientados no Brasil. Colocando nossa cultura em foco. Eu não sou muito de romance de época, mas gostei da proposta desse. Acho que ele tem uma pegada mais de romance histórico, pelo o que você destacou. Espero poder ler em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem? Tenho um carinho enorme pela Marina e suas história, mas ainda não tive oportunidade de ler O Amor nos Tempos do Ouro, o qual assim como você falou, só vejo elogios. AMO romance de época, e com certeza lerei. Adorei a resenha e fotos!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Li este livro logo que lançou e me apaixonei, já amava os livros da Marina, mas este me deixou especialmente encantada, por se passar no Brasil e todo o cuidado que ela teve com a obra.
    Bjs

    ResponderExcluir

® Faces em Livros | Layout por A Design - Ilustração por Graciele Paiva