RESENHAll A COISA- IT


Título: It/A coisa| Autor: Stephen king | Editora: Objetiva | Páginas: 832 | Ano: 2001
Avaliação: 

Durante as férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e... do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permanece em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. 


DO QUE VOCÊ TEM MEDO? 

"Vamos, pegue um balão! Veja como ele flutua! Você também vai flutuar aqui embaixo"
Derry é uma pequena e pacata cidade do Maine, que poderia ser igual a todas as outras, se não fosse por estranhas mortes e desaparecimentos, que ocorrem em ciclos definidos de tempo, por uma estranha criatura que mora no coração da cidade. A cada 30 anos, em média, um novo ciclo reinicia em Derry, vitimando crianças e adolescentes com mortes horrendas, consumindo seus corpos e almas e deixando seus restos mortais a esmo pelos esgotos e ruas da pequena cidade. Um grupo de crianças então é unido pelo destino para tentar por fim ao monstro que limita a vida das crianças que o encontram.

O livro inicia contando a história de Georgie, uma criança que está brincando na chuva com seu barquinho de papel, confeccionado por Bill, seu irmão. Enquanto Georgie coloca seu barco para velejar na correnteza da sarjeta, as águas o levam para um bueiro, e se depara com a criatura que marca sua trágica morte: Parcimonioso (assim colocado nesta edição), a criatura novamente desperta e que aparece em forma de palhaço.

"- Eles flutuam - rosnou a Coisa -, eles flutuam, Georgie, e quando você estiver aqui embaixo comigo, você também vai flutuar..."
Georgie é a primeira vítima do novo ciclo da Coisa, iniciado no ano de 1958. Depois dele, várias outras crianças desaparecem e algumas delas têm seus restos mortais encontrados flutuando pela correnteza, por crianças que brincam inocentemente.


A Coisa é um ser que vive em Derry e a cada período determinado de tempo ela acorda para se alimentar de crianças que habitam a cidade. Ela usa o medo que habita em cada uma delas, desde os mais supérfluos até os que estão nos cantos mais escondidos da mente, como arma letal. Depois de vários desaparecimentos e mortes, nenhuma solução; sete crianças, então, são unidas pelo destino e passam a travar uma luta mortal contra esse ser que está sugando vidas, para por um fim às mortes na cidade de tantas pessoas inocentes (e outras nem tanto assim).

Bev (uma linda ruiva, que apanha bastante de seu pai), Bill, (alvo de zombarias por ser gago), Ben, (um menino gordo e que é perseguido na escola por seu porte físico), Mike (um menino negro, alvo do preconceito), Eddie (uma criança asmática), Stan (judeu, que mal entende o por quê de ser criticado por sua religião) e Richie (um rapazinho que usa óculos de lentes grossas e que imita vozes de vários personagens) são os protagonistas dessa trama. Juntos, eles formam um time autointitulado de Os Perdedores.
Diversos acontecimentos marcam a narrativa, mostrando o quanto os Perdedores se encontram no fio da vida e da morte, desde os que dizem respeito à Coisa, quanto às perseguições e à própria vida em si. 


O livro tem em sua narrativa a mescla do passado e presente, contando a história de cada personagem detalhadamente, tanto durante a infância quanto na idade adulta; e a sequência dos fatos, de modo que estes vão se convergindo, e se encontram no final da obra de forma impecável. Todos os Perdedores, na vida adulta (1985), moram fora de Derry, exceto Mikey, que agora trabalha na Biblioteca Pública da cidade. Nenhum dos seis Perdedores que saíram da cidade se lembravam do que passaram na infância e sobre como enfrentaram a Coisa pela primeira vez, - as cicatrizes e memórias simplesmente apagadas -, até receberem uma ligação de Mike, informando que eles tinham um juramento de sangue e que precisavam voltar à Derry para terminarem "O trabalho". Stan é o único que não volta à cidade. 

Depois que todos se juntam novamente, A Coisa reaparece para cada um da forma como eles menos esperam, usando aquilo que eles mais têm medo como arma. A partir de então uma nova guerra é travada: de um lado, as antigas crianças que hoje são cientes de como é a vida real, que perderam boa parte dos seus sonhos e que não acreditam mais em Papai Noel; do outro, a Coisa, que sabe que eles estão mais fracos e vai se aproveitar disso para tentar matá-los, coisa que deveria ter feito há 27 anos. No meio dessa guerra, quem sairá vencedor?

It: A coisa foi o melhor livro que li até agora por vários fatores; não apenas o nível da história em si, mas todos os detalhes que enriqueceram bastante a obra como um todo. Inicialmente, é um livro bem extenso, mas que não deixa o leitor perdido, com eventos aleatórios ou pontas soltas. O tempo é um fator predominante durante toda a narrativa e este elemento é muito bem trabalhado durante todo o livro, já que os eventos entre infância e idade adulta caminham para convergirem no final do ato. Em partes narrado em primeira pessoa, em outros em terceira, a leitura flui muito bem. 

A forma como o Stephen King detalha o cenário, as características do personagem e a minuciosidade de como tudo acontece - mesmo sendo com figurantes que aparecem apenas naquele subcapítulo - são bastante precisas. Essa peculiaridade faz com que a história se prolongue bastante, mas faz também com que você sinta e veja tudo o que está se passando naquele momento; você passa a ser o personagem e não apenas está lendo sobre ele. 

Foi impossível não me apegar aos personagens e, principalmente, não sofrer com eles. A leitura é bastante crua e algumas cenas são bem fortes, com toda a minuciosidade de como ocorrem as surras, por exemplo, principalmente as que narram o bullying e o racismo voltados a Ben e Mike, alvos mais visíveis das atrocidades de Henry Bowers e seus amigos. A descrição da brutalidade e como os fatos se sucedem faz o coração bater um pouco falho.




A edição de A Coisa, da editora Objetivam, apresenta folha branca com margem rasa e letras em fonte pequena; as linhas bem próximas fazem com que seja um pouco desconfortável aos olhos durante a leitura. No entanto, essa estrutura técnica (por assim dizer) faz com que o livro fique mais compacto, sendo diferente da versão mais atual da Suma de Letras, que lançou uma edição com mais de mil páginas. 

Esta é uma das obras mais aclamadas do Stephen King e ganhou uma adaptação para as telas no ano de 1990, lançando a imagem do Pennywise, interpretada pelo ator Tim Curry. No mês de setembro desse ano haverá a estreia do remake dessa obra. Quem é fã de It deve estar bastante ansioso pela estreia, já que o trailer do filme deixou muita gente com os pelos eriçados.


Essa resenha foi difícil de ser feita pelo fato de eu ter desenvolvido uma certa "ligação" com o livro, e por eu ter gostando tanto acaba ficando um pouco difícil de passar para o "papel' as ideias. As obras do Stephen são leituras adultas. Assim como outras resenhas minhas dos livros dele, recomendo para quem gosta do gênero terror/horror, fantasia, e a mistura dos romances que só o Stephen faz. Para quem já leu, quais suas considerações em relação a It? Deixa seu comentário sobre. Quero ler suas opiniões!

4 comentários

  1. Oiee

    Esse é de dar medo mesmo. Eu já li, mas penso em fazer uma releitura desse livro, vale a pena.
    Eu também sofri com os personagens, me apeguei e por isso foi um livro super forte. Tive que ir lendo devagar.
    Estou ansiosa pelo filme!!
    Adorei o post, o palhaço na estante ficou demais.

    bjs
    Fernanda
    http://condutaliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! It é um livro forte e que deixa muitas marcas.

      Excluir
  2. Admiro o autor e gostei bastante da sua resenha, não acredito que seria um livro que eu tivesse medo porque isso é bem raro de acontecer até mesmo com filmes hahaha Mas eu tenho um pé atrás por conta de alguém que eu confio muito na opinião e nossa, fiquei desanimada totalmente e acho que não tentarei ler este livro tão cedo.

    Um beijo, Carol
    Blog com V.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Carol. Então, It é um livro bem marcante, mas vale a pena arriscar :)

    ResponderExcluir