CONTA UM CONTO || CARTAS PARA MIM #2

Para quem Não acompanhou a primeira parte do conto, clique AQUI.

Olá leitores, tudo bem com vocês?
Vamos finalizar esse conto que está arrancando suspiros dos leitores?
Preparem-se pois essa parte está cheia de emoção. Vamos lá?



Encontrar a casa foi a parte fácil, apesar de cansativo. Minha mãe tinha o antigo endereço da Carol. Ela morava em nosso antigo bairro, duas ruas depois da minha, percebi isso quando cheguei lá. Tive que pegar dois ônibus e um metrô pra chegar, e lembrei claramente a razão por termos nos mudado de lá. 

Ao chegar, toco a campainha e espero que alguém venha atender. Espero que seja uma pessoa que tenha informações. Informação é tudo que eu preciso no momento. 
Ouço alguns passos em direção ao portão. Frio na barriga. Medo. Aquela sensação de que eu não deveria ter ido até lá, de que algo está errado. Bem errado. 
Uma senhora de uns 45 anos abre o portão e sorri.
- Bom dia querida. Posso ajudá-la? Que mulher simpática. Penso. 
- Bom dia! - Digo com uma falsa alegria. - Como vai? Me chamo Tárcia e gostaria de saber se a senhora conhece a antiga moradora dessa casa. - Espero ansiosa por sua resposta. Ela está séria. O sorriso que existia quando ela abriu o portão, não está mais lá. 
-Oh, querida! Você não quer entrar? - Já sei que essa conversa não será da forma que esperei. E temo por isso.
- Claro! Espero não incomodar. - Digo pra ser educada. Minha mãe me mataria se eu não fosse. 
- Pode entrar. Fique a vontade.
Entro.

A casa é simples, da forma que meu subconsciente se mostrou lembrar. Os cômodos rústicos pelos quais sempre fui apaixonada. 
Amo coisas antigas e rústicas. 
Ano passado fiz a mãe comprar uma estante rústica caríssima para por meus livros. Ela ainda me culpa por não ter comprado o sofá novo pra combinar com as cortinas novas da sala. Por que será que as mães gostam tanto de sofá?
Ela me aponta uma poltrona na qual me parece ser bem confortável. Sento-me e percebo que minha hipótese estava correta. 
- Imagino que você deva ser amiga da Carolina.
- Sim. Uma antiga amiga. - Corrijo rapidamente.
- Pois, devo dizer que lamento muito o que aconteceu.- Não entendi o que ela quis dizer então perguntei.
- Ah? Como assim lamenta?
Percebo que minha voz está trêmula e embargada. Sei que não vou gostar do que ela me dirá. Sei que vai doer. 
- Eu realmente não gostaria de ser a pessoa a ter que te falar isso. Mas a Carol faleceu há dois meses. 

Acho que não estou respirando.

Como uma pessoa que acabo de descobrir que teve uma grande influência em minha vida pode estar morta? Isso não é verdade! Não pode ser. 
Ela percebe que não estou bem e me oferece um pouco de água. Recuso. Me levanto atônita e agradeço. 
Não quero saber como aconteceu, nem onde. Saber disso não irá diminuir a dor. 
Entro no metrô e encosto minha cabeça no vidro. Uma lágrima escorre dos meus olhos.
Só quero ir para casa. Ir pra casa e abraçar minha mãe. 

###

Três meses.
Esse foi o tempo que passou depois que soube da morte da Carol.
O que mais me doeu (e dói) não foi a morte dela. Foi saber que perdemos belos momentos juntas, por capricho meu. Apenas porque eu fui egoísta, e só pensei em mim mesma, na minha formação. É claro que isso é importante, hoje sou uma Arquiteta e acabo de conseguir uma vaga em um dos escritórios mais famosos de São Paulo, isso é bom. É incrível! Poderei dar uma vida melhor à minha mãe, à mim mesma, e  aos filhos que um dia eu terei.

Perder a Carol sem nem ao menos ter tido ela comigo doeu muito, principalmente porquê perdemos tudo que poderíamos ter vivido juntas. Isso é horrível. Sempre lembrarei dela. 
Me obrigo a lembrar. 
No dia em que soube da morte precoce da Carol, cheguei em casa devastada. Chorando muito. Desesperada. A minha mãe estava lá. E então a ficha caiu. 
Ela sempre esteve lá.
Ela sempre estará lá.

Mas por quanto tempo mais ela estaria ali? Para mim quando eu precisasse?
Senti uma pontada no meu peito. Não fisicamente. Aquilo me doeu. A ideia de perder a minha mãe, o único amor sincero da minha vida. Doeu. Uma dor que eu não esperava. Uma dor que superou a dor da perda que eu tinha sofrido. Afinal, eu não poderia mudar o que aconteceu, porém eu podia mudar o futuro. 

Naquele instante, com toda a dor e lágrimas, eu prometi a mim mesma que eu iria aproveitar cada momento simples que eu vivesse. Que eu iria viver cada ato de amor da minha mãe intensamente. Que eu não deixaria a correria do cotidiano e a pressa da vida me impedissem de contemplar as gotas de orvalho nas flores do jardim ou o sorriso da minha mãe quando eu comprasse o sonho recheado que ela tanto gosta.

Foi ali, com aquela dor. No abraço da minha mãe, que eu senti como a vida é simples e fácil de se quebrar. E que no fim, o que importa é o quanto você se doa. O quanto você se dá ao amor. 
Às vezes um ato de atenção pode alegrar todo o seu dia. Que a iluminação de uma vida pode estar no sorriso da criança de rua que se alegra por estar viva. 
Eu percebi. 
Me prometi. 
E chorei.

37 comentários:

  1. Ola
    Adorei poder conferir essa finalização. Na verdade, ao ler o texto pude me identificar com algumas passagens, não de hoje, mas de algum tempo atrás talvez, e em especial sobre o final. Emoções é o que não faltam, e acredito que tudo foi muito bem retratado por aqui.
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Vc me fez emocionar .que termino maravilhoso
    Realmente isto acontece em tantas vidas.ja passei por isto
    Por esta dor de perder um grande amigo.as vezes nos distanciamos e esquecendo que o tempo passa rápido e que devemos viver os melhores momentos sempre.

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?
    Lembro que li a primeira parte do conto e achei bem bacana, adorei esse final. A coluna é muito bacana e é sempre bom poder conhecer novos talentos.

    ResponderExcluir
  4. Muito legal o texto, as emoções são descritas de forma a colocar o leitor dentro da história. Gostei bastante.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  5. Puxa, eu acho que perdi a primeira parte desse conto :(
    Fiquei meio confusa no começo mas depois fui entendendo. Gostei da leitura e vou procurar a primeira parte pra poder ver certinho.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo desfecho.
    Às vezes perdemos muitas oportunidades de estarmos com pessoas querida por estarmos "cegos", mirando no horizonte. Mas precisamos entender que as pessoas são muito mais importantes do que qualquer conquista!
    Continue escrevendo! ;)

    ResponderExcluir
  7. Que conto bacana, adorei a reflexão no final, de que às vezes só uma pequena ação pode ser importante pras pessoas!
    Mas vou dar a dica de quando for um post de continuação, você coloque o link da primeira parte pra gente conferir, pois eu não li a primeira parte, mas ainda bem que deu pra entender!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  8. Olá adorei o texto, em alguns momentos me senti parte dele, parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Oie, tudo bem?
    Que talento para escrever ein? Adorei, espero que você concretize algum trabalho um dia.
    Não li o desfecho anterior mas esse já me instigou bastante em conhecer um pouco mais sobre esse enredo.
    Parabéns <3

    ResponderExcluir
  10. Oii, tudo bem?
    Lembro que li a primeira parte do conto e achei bem bacana, adorei esse final. A coluna é muito bacana e é sempre bom poder conhecer novos talentos.

    ResponderExcluir
  11. OI Italo,
    Mesmo não tendo acompanhado o conto desde o começo adorei a escrita. Fiquei curiosa pra saber mais sobre a Carol e a relação dela com a protagonista. Parabéns para quem escreveu!!
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
  12. Oi, tudo bem?

    Muito bom o conto. Vou precisar ler a primeira parte para entender melhor. Mesmo assim adorei! Ansiosa pelo próximo conto. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  13. Hey, Ítalo!

    Não li as partes anteriores do conto, então não estou por dentro da história, mas senti seu texto bem carregado de emoção. Está muito bem escrito. Parabéns, viu?
    Depois volto com mais tempo para ler o conto todo e saber mais sobre o relacionamento entre as duas. Fiquei bem curiosa.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem? Adorei a continuação do conto. Está muito bem escrito e emocionante, como os anteriores. Eu, particularmente, adoro essa coluna. Parabéns e sucesso!

    Beijos,
    www.paginasincriveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Aí que lindo. Que emocionante. Que tocante. Eu fiquei encantada. Como as vezes pequenas coisas se tornam grandes não é? Escreves muito bem. Parabéns. Estou encantada.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Oi! Estou tão triste agora :(
    Estava aguardando a continuação da história e esperava que terminasse tão diferente. Queria tanto que elas retomassem a amizade...
    Mas a vida é isso aí. Nunca sabemos o que será do amanhã e devemos aproveitar cada momento ao lado das pessoas que amamos.
    Adorei o texto! Parabéns pela escrita tão linda!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Oii, tudo bem? Gostei muito dessa segunda parte do conto!! Não esperava que a história fosse tomar um rumo tão dramático e emocionante, mas adorei mesmo assim, e consegui sentir a dor da personagem!! Você escreve muuito bem! Parabéns pelo ótimo texto!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Ei, Ítalo, tudo bem? Não consegui compreender muito bem o conto porque perdi as outras partes, mas devo dizer que gostei bastante da sua escrita. Achei o conto muito emocionante. Um beijo!

    ResponderExcluir
  19. Bem, confesso que fiquei meio perdida porque li só essa parte do conto. Mesmo assim me pareceu bem emocionante, pareceu que algo bem profundo aconteceu antes, sei lá tô meio perdidinha [rs] Mas mesmo meio perdidinha no contexto geral gostei do que li, em poucas linhas me senti dentro da história. Gostei do seu estilo de escrita, parabéns!

    |amorlivresco.wordpress.com|

    ResponderExcluir
  20. Oiee
    Não Acompanho o conto desde o começo, mais gostei bastante dele muito bem escrito
    Parabéns
    Bjs

    ResponderExcluir
  21. Olá, que conto emocionante, tive que procura o inicio dele, mas adorei a conclusão *--*

    ResponderExcluir
  22. Oi, Italo!
    Eu não tinha acompanhado o conto desde o começo, mas essa conclusão está ó, de parabéns! Super bem escrito e dá até para sentir a emoção/dor do personagem! (agora eu vou ali ler a primeira parte hehe) Beijos!

    ResponderExcluir
  23. Oiii

    Ainda não tinha lido a primeira parte, mas que emocionante! Gostei muito da sua escrita, mas um pouco e os sentimentos tornam-se palpáveis. Parabéns!

    bjs
    www.livrosdabeta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  24. ‘Como uma pessoa que acabo de descobrir que teve uma grande influência em minha vida pode estar morta?’ morta? Cada vez essa história está mais louca, adorando acompanhar. Realmente, devemos aproveitar mais aqueles que amamos.

    ResponderExcluir
  25. Nossa, não imaginava que acabaria assim. Não esperava que a Carol estivesse morta :O
    Mas gostei muito da mensagem do seu conto. Às vezes precisamos de choques assim para valorizar as pessoas.

    ResponderExcluir
  26. Oi, tudo bem?
    Eu lembro que li a primeira parte do conto e me emocionei bastante, agora lendo a continuação fiquei ainda mais tocada pela história. Muitas vezes a gente perde o contato com pessoas queridas por coisas que não são importantes, né? Muitas das vezes por conta da nossa formação, mas sempre há como dar um jeito. Enfim, achei lindo ela notar que a mãe sempre esteve ali e se comprometer a valorizar todos os momentos com ela, que aprendamos a fazer isso também.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  27. Olá, tudo bem?
    Achei este trecho maravilhoso! Infelizmente, não acompanhei as outras partes, mas por este deu para perceber que foi muito bem escrito !
    Beijos, Larissa (laoliphant.com.br)

    ResponderExcluir
  28. Olá!
    Ai tava pensando no primeiro conto esses dias imaginando a continuação hahaha triste, mas adorei como isso fez com que ela valorizasse mais a vida e as pessoas que estão à sua volta, especialmente a mãe <3 amei demais!
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  29. Finais sempre levam uma parte de nós e deixam um pouco de si...Texto finalizado, identificado em partes dentro de mim e eu só preciso dizer que gostei! Amarrar uma história não é coisa simples de se fazer e a sua ficou bem legal!Curti muito! Bjs☺

    ResponderExcluir
  30. Olá, tudo bom?
    Na minha "cabeça de disney" ela ia conseguir o endereço e retomar a amizade. Mas a Carol morreu :o
    Amei seu conto e a mensagem final. Confesso que ao ler a personagem pensando sobre um possível dia em que perderia sua mãe fiquei com um nó na garganta, por ser um assunto no qual sempre evito pensar.
    Enfim! Amei seu conto e sua forma de escrever. Espero ver muito mais contos por aqui!! <3

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  31. Oi!
    Apesar de ter esquecido das partes anteriores do conto achei essa finalização muito legal.
    Você escreve muito bem e deixa o leitor preso nas palavras e sentimentos dos personagens.
    Linda finalização, espero mais contos por aqui ^^

    ResponderExcluir
  32. Olá Italo... ai menino que talento é esse ai, hein?
    Confesso que não tinha lido a primeira perto do conto, por conta disso, quando cheguei na metade dessa postagem senti uma necessidade absurda de acompanhá-lo desde o início, por isso fui la e agora que terminei tudo confesso que estou com lágrimas nos olhos, sim eu sou chorona, mas amei o conto e a sua finalização.
    Parabéns pela coluna e tenho certeza que ela será de um sucesso muito grande e isso será merecido.

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  33. Oi, preciso dizer que eu não havia lido ainda a primeira parte do conto, mas que essa parte é de se arrancar suspiros e lágrimas. Ao passar em sua escrita sentimentos tão fortes e profundos é impossível que nós não fiquemos tocados com o que ela sente. Mas preciso dizer que ao mesmo tempo que tem uma grande tristeza também tem um grande aprendizado, sobre não se deixar a vida te privar de ter a companhia de alguém porque depois pode ser muito tarde. Super bem escrito e bonito... Parabéns!
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  34. Que conto excelente! É sempre importante darmos valor as pessoas que amamos e mostrar para elas o quanto as amamos. Nunca saberemos quando eles não estarão mais do nosso lado...

    Parabens pela ótima historia!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  35. Oi!!
    Nossa que conto maravilhoso, você escreve muito bem.
    É sempre bom a gente poder ler textos lindos como esse, eu tive que ir dar uma espiada na primeira parte e valeu a pena.
    Parabéns pela escrita, espero ler outros por aqui.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  36. Oie
    muito legal seu conto, parabéns por escrever tão bem. Eu quero muito pode começar a escrever uns contos curtos assim para publicar pois exercita muito nossa criatividade

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  37. Um conto que trabalha algo delicado de uma forma legal. Parabéns :)

    ResponderExcluir

® Faces em Livros | Layout por A Design - Ilustração por Graciele Paiva