RESENHA|| NO PAÍS DOS QUADRATINS...


Título: No País dos Quadratins| Autor: Carlos Magalhães Lébeis| Editora: Cosacnaify Páginas: 98| Gênero: Infanto-juvenil | Ano: 2012
Avaliação: 
Onde comprar: Amazon

A reedição do primeiro livro publicado em vida por Carlos Lébeis – contemporâneo de Monteiro Lobato – dá sequência a um resgate histórico da literatura infanto-juvenil brasileira pela Cosac Naify. Na história, João Papinho leva uma ferroada de uma vespa na orelha e decide se vingar, mas acaba sendo arremessado para o temível país dos quadratins. Os habitantes quadrados são violentos e perigosos e o fazem prisioneiro. Uma valente libélula convoca o exército dos pindobinhas, moradores do reino de Pindoborama, e instaura-se uma verdadeira guerra para a libertação do menino. Com sua prosa divertida e bem-humorada, Lébeis nos conduz por uma aventura emocionante que aborda questões como a paz e a relação do homem com a natureza e amizade entre todos os seres. Os desenhos são de Candido Portinari, uma das maiores referências da arte brasileira no plano internacional. Os originais das ilustrações foram perdidas, razão pela qual a editora optou por reproduzir, em fac-símile, as páginas da primeira edição do livro, mantendo assim o registro artístico da obra.

Olá, leitores do Faces! Como estão? Hoje trouxe mais uma resenha do universo infanto-juvenil. Quem aqui não gosta de leituras fáceis e mágicas que mexem com o universo da imaginação, mas que ao mesmo tempo nos deixa felizes e reflexivos? 

No País dos Quadratins... , escrito por Carlos Lébeis e ilustrado por Candido Portinari,  foi presente de uma grande amiga, ela sabe o quanto gosto de livros do mundo infanto-juvenil. Inicialmente, não dei nada pelo livro (nada me chamou a atenção, porém/entretanto/todavia não julgai o livro pela capa hahaha), mas fiquei surpresa quando percebi que as ilustrações do livro foram feitas por Candido Portinari. Como sabemos, ele é uma das maiores e melhores referências do universo das artes brasileiras. São imagens bem representativas sobre a história do livro. 

Lébeis, autor do livro, é paulista e nos deixou uma história muito encantadora para ser apreciada por qualquer público. Vale reforçar e destacar que li essa obra em apenas uma tarde. O livro é dividido em Dezessete curtos capítulos. Os personagens dos livros são animais e outros seres da própria natureza que cometem ações iguais aos seres humanos. 

Os Quadratins “eram pequeninos homens quadrados. Quadrados eram seus corpos; as cabeças quadradas; só os narizes, que por sinal eram enormes, tinham um jeito de bico de tucano. Fungavam pelo nariz e batiam os queixos quadrados fazendo um barulho terrível!” (p.37)
Além dessas características, os Quadratins “Eram um povo selvagem que não gostava de outros homens porque não podia crescer como eles. 
Assim, tudo começa quando João Papinho leva uma ferroada de uma vespa na orelha e decide se vingar. Ele e seus amigos resolvem atacar o lugar onde as vespas vivem criando um estilingue. No dia que resolvem atacar as vespas, ao puxar o elástico do estilingue, ao invés de uma pedra ser arremessada, quem é arremessado para o espaço é João Papinho. E esse clímax proporciona a nos leitores o conhecimento sobre o quanto somos vingativos quando algo nos machuca (seja de forma física ou psicológica). Mas nem sempre as coisas saem como o esperado...

João Papinho vai parar na toca dos Quadratins (que como já sabemos odeia outros seres). Nesse meio tempo, todos os outros seres se juntam/unem para salvar João Papinho. 
O que acontece? Vocês terão que adquirir o livro e voltarem para me contar o que acharam! Hahahahah

Eu fiquei apaixonada pela forma como o autor traz assuntos no livro de forma simples e com uma linguagem acessível para qualquer público. A obra nos toca e nos faz refletir sobre como agimos diante de todas as situações do cotidiano. Creio que a maior lição que Carlos Lébeis quis transmitir foi o amor pela natureza e os animais. Portando, a recomendação do livro vai para todos os públicos, desde as crianças até mesmo os adultos. A mensagem perpassa tamanho e idade.
“ – Está vendo como a gente deve ser amiga dos animais? Veja como as libélulas, os vaga-lumes, o grilo e o caxinguelê o ajudaram! (...) Escute, é melhor a gente ser pindobinha do que quadratim...” 


Nenhum comentário