RESENHA II A PROFECIA DO PÁSSARO DE FOGO


Título: A profecia do pássaro de fogo| Autora: Melissa Grey| Editora: Seguinte
Ano: 2016| Páginas: 355
Onde comprar: Saraiva
Avaliação: 
No subterrâneo de lugares onde é muito difícil chegar, duas antigas raças travam uma guerra milenar: os Avicen, pessoas com penas no lugar de cabelos e pelos; e os Drakharin, que tê escamas sobre a pele. Ambas possuem magia correndo nas veias, o que os esconde de todos os humanos, menos de uma adolescente chamada Echo.Echo conheceu os Avicen quando era criança, e desde então, elas são sua única família. A pedido de sua tutora, a garota começa uma jornada em busca do pássaro de fogo, uma entidade mítica que, segundo uma velha profecia, é a única forma de acabar com a guerra de vez. Mas Echo precisa encontrar o pássaro antes dos Drakharin, ou então os Avicen podem desaparecer para sempre.

Echo é uma garota que vive sob os cuidados de sua tutora, Ala, em um ninho (nome dado ao local onde todos os Avicen habitam) dominado pelo povo Avicen - híbridos de humanos com aves. Desde criança, quando foi "resgatada" por Ala, em uma biblioteca, Echo é a única humana que ultrapassa o entremeio do mundo dos humanos e dessas criaturas e, convive com os outros integrantes dessa comunidade, usando a mesma magia e os mesmos modos de vida que seus companheiros. Em alguns momentos, no entanto, Echo se vê em situações difíceis no ninho, pois se sente excluída por alguns integrantes do bando e isso lhe causa algumas mágoas constantes, fazendo aquela sineta em sua mente tocar, lembrando-lhe que "Você não é um deles!"

Para se distrair, Echo viaja para diversos locais do mundo em poucos minutos, usando pó de sombra , uma porta; e magia para se deslocar, visitando, num piscar de olhos, museus e lojas, e furtando objetos que acha interessante, para presentear Ala - algumas vezes -, e para preencher o tempo de sobra que tem, em outras.

"Cruzar a soleira para o entremeio era menos desagradável pela segunda vez, mas o conteúdo do estômago de Echo ainda revirava muito. Ela tateou no escuro, fazendo uma careta quando suas mãos tocaram algo sólido. As portas que levavam à Estação Grand Central estavam sempre imundas, mesmo do outro lado do entremeio. Nova Iorque, ela pensou. A cidade que nunca está limpa." p.17


Os Avicen vivem em guerra com outro grupo de híbridos: os Drakharin - híbridos de humanos com répteis, - onde sua principal característica é apresentarem escamas sobre a pele em vez de pelos -, que lutam contra o primeiro grupo alegando que o objetivo é para conquistar a paz. 



Em determinado roubo que Echo faz, a garota encontra na peça roubada um pequeno indício de sua jornada que começa, a partir daí, a mudar todo o seu destino. À medida que os acontecimentos avançam, Echo vai se vendo em um beco sem saída, onde fica a dúvida entre fazer algo para salvar os Avicen da guerra ou ser banida desse grupo pelas decisões tomadas. Todos os seus passos, agora, são para encontrar o lendário Pássaro de fogo, elemento místico que, segundo os mais antigos, tem o poder de trazer a paz e por fim na guerra que assola os Avicen e os Drakharin. 

Quando Echo começa a correr atrás do Pássaro de fogo, ela compra a briga com o príncipe dos Drakharin, Caius, e sua tropa, que também estão incessantes atrás do artefato que trará a paz aos povos.

As reviravoltas que a história dá intercalam desde o posicionamento dos Avicen e dos Drakharin, que não são realmente o que mostram ser nem o que Echo cresceu aprendendo.

O romance nessa história não fica de fora, já que tratamos de uma adolescente de 17 anos, com seus sentimentos à flor da pele. A paixão surge no peito de Echo junto com a dúvida que a divide entre seu namorado guerreiro Avicen e o novo sentimento, até então proibido, que a faz ficar mergulhada nas relatividades do amor. 

A guerra entre os Avicen e os Drakharin retornam com força total depois que está declarada a busca ao lendário Pássaro de fogo, matando inocentes e pondo terror nos civis, enquanto Echo se vê na obrigação de completar sua missão e encontrar esse artefato.
"- “O pássaro que canta à meia-noite” – ele recitou – “em sua gaiola de ossos ascenderá do sangue e das cinzas para saudar em verdade desconhecida”. – Ele sentou sobre os calcanhares, franzindo a testa. – Que droga isso significa?" p.193


Por ser um romance juvenil, A Profecia do Pássaro de Fogo traz mais o lado emotivo de Echo do que o fato secundário e principal da história: a guerra que assola os dois povos em questão. Há em alguns momentos um desvio dos fatos durante a narrativa, mas que não comprometem a leitura como um todo. Os capítulos são bem curtos, não pondo muita sequência ao mesmo assunto, cortando de um fato para o outro as nuances da história. O livro em si apresenta folhas amareladas, o que é mais agradável para ler. A capa apresenta alto relevo no título e as cores são bastante chamativas, mas harmônicas. O corte do livro é limpo e a lombada bastante charmosa. Os acontecimentos são narrados em terceira pessoa. 

Por apresentar uma narrativa diferente da que gosto, A profecia do Pássaro de Fogo não me ganhou. Para quem já leu outras resenhas minhas, deve ter notado que meu gênero literário preferido é horror/terror/sobrenatural. No entanto, a leitura da obra citada nessa resenha fluiu bastante e confesso que fiquei um tanto curiosa com a continuação e desfecho dessa história de Echo e sua tribo. 

Esse é o primeiro livro da trilogia Echo. A leitura é mais voltada para o público juvenil; boa para quem gosta de romances mais clichês e uma narrativa leve, com revira-voltas na história que dão o "q" da coisa. Aos que leram, qual a opinião de vocês? Deixem aqui nos comentários!

9 comentários

  1. Eu achei a sinopse interessante e pode até ser o livro que me fará voltar a ler fantasia finalmente xD mas ''Por ser um romance juvenil, A Profecia do Pássaro de Fogo traz mais o lado emotivo de Echo do que o fato secundário e principal da história: a guerra que assola os dois povos em questão. '' me deixou desanimada. Eu fiquei chateada com a A Seleção por isso. Trabalhou muito pouco o que era o ponto forte da saga pra trabalhar sentimentos :/

    ResponderExcluir
  2. Que pena que a profecia não te ganhou, às vezes, é complicado sair da zona de conforto, mas é bom saber que não existe um único modo de narrativa e tentar se aventurar, espero que leia a continuação.

    ResponderExcluir
  3. Oie amore,
    Amooo que amooo esse blog s2
    Que capa mais linda e título ainda mais lindo. Uma pena que você não tenha curtido muito a leitura.
    Eu curto muito romances clichês então anotei a dica por aqui!
    Beijokas!

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o livro mas de saber que a guerra fica de lado por causa do lado emotivo da personagem já nem leria.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Esse livro tem elementos que gosto muito. Os híbridos de humanos com aves, repteis é bem interessante. Mas com é muito juvenil acaba focando mais no romance da protagonista e isso me incomoda um pouco. Quem sabe mais pra frente eu não leia.

    beijos!

    ResponderExcluir
  6. A capa do livro já me ganhou, achei linda.
    Gosto de livros de fantasia, seres diferentes, e achei esse interessante, e incluindo o romance clichê, eu leria e daria uma chance a leitura.
    Sua resenha está muito bem escrita, adorei.

    Boutique de Clichês

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Que pena que o livro não te ganhou. Eu já curto livros de fantasia, então fiquei bem interessada por esse, que faz muito o meu estilo de leitura. Adorei a sua sinceridade na resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu achei a capa tão linda.
    Que pena que o livro não te ganhou, também não me agradaria rs...
    Gostei da sua resenha, e da sinceridade empregada nela.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem?
    Eu já li esse livro e fiquei super chateada porque não sabia se iriam lançar a sequência. Imagina a minha alegria ao saber que sim? rs.
    Li sem expectativa nenhuma, mas eu adorei.
    Beijos!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir