Resenha - O Diário de Anne Frank








Título: O Diário de Anne Frank
Autor: Anne Frank
Tradução: Alves Calado
Páginas: 378
Edição: 8
Editora: Bestbolso  


Avaliação: 

Sinopse: O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seu diário narra os sentimentos, medos e pequenas alegrias de uma menina judia que, com sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.


Lançado em 1947, O Diário de Anne Frank tornou-se um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos. Um livro tocante e importante que conta às novas gerações os horrores da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Agora, seis décadas após ter sido escrito, este relato finalmente é publicado na íntegra, com um caderno de fotos e o resgate de trechos que permaneciam inéditos. Uma nova edição que aprofunda e aumenta nossa compreensão da vida e da personalidade dessa menina que se transformou em um dos grandes símbolos da luta contra a opressão e a injustiça. E consagra O Diário de Anne Frank como um dos livros de maior importância do século XX. Uma obra que deve ser lida por todos, para evitar que atrocidades parecidas voltem a acontecer neste mundo.

(Imagem retirada da internet)

O livro conta a história real de Anne, uma garota que vivia uma vida normal, frequentava a escola, tinha vários amigos e sempre ajudava as pessoas a sua volta. Também era uma menina por quem todos se apaixonavam, ela fazia graça daquilo, dando um aspecto de humor para o livro logo no início.

Em seu aniversário, Anne ganhou um diário de capa vermelha e o chamou de Kitty, ela adorou o presente pois sempre quis ter um, a partir daí, ela começa a escrever em seu diário, fala das suas amizades, da sua escola e da sua família.


Até que certo dia, os judeus começam a ser perseguidos pelos nazistas, e Anne e sua família se sentem obrigados a se esconder, principalmente após sua irmã Margot receber uma carta, exigindo sua presença em um campo de concentração. O pai de Anne resolve tudo e encontra um lugar para sua família se esconder, um porão do prédio em que ele trabalhava.


Quando a família chega lá, começam a aparecer os problemas e é aí que o livro começa de verdade, outra família vem morar com eles e logo mais tarde, mais um homem. Viver junto a tanta gente, com tantos problemas e sem puder sair de casa, faz com que a enorme família entre em conflitos constantemente.







Anne não se dava bem com a sua mãe, sentia-se sempre à margem da família, isso é algo que me emocionou ao longo do livro, ver suas palavras sobre sua mãe e o quanto a magoava esse distanciamento das duas, odiei a mãe dela em muitos pontos do livro e a entendi em outros. Por outro lado, seu pai é o único da família em que ela se apoia de verdade e é triste ver seus relatos sobre ele e o quanto os mesmos vão mudando ao longo das páginas.


O ponto alto do livro é quando Anne começa a se apaixonar pela primeira vez, é muito interessante ver ela descobrindo o mundo, ver que naquela época as crianças não sabiam muita coisa, não foi fácil deixar de comparar com o mundo atual, onde as crianças não têm mais a inocência de antigamente. A gente passa o livro torcendo para Anne, torcendo para que ela embarque nesse amor verdadeiro, que ela se reconcilie com a sua família e que ela possa realizar todos os sonhos que afirma ter.


"É imensamente triste mergulhar nas próprias palavras de uma criança que passou por esse período da história, uma garota que teve que crescer antes do tempo, que precisou amadurecer, sem nem saber o significado da palavra em si, foi muito triste ver o quanto ela pensava naquilo e no quanto queria realizar todos os seus sonhos."



Este livro, sem dúvidas, mexeu muito comigo e foi o melhor livro que li esse ano - até agora - acho que nenhuma outra história foi capaz de me deixar pensativa por dias, porque, o tema já me deixa triste e saber que foi um relato real de alguém que, infelizmente, teve que passar por isso ainda tão pequena faz todo mundo querer e torcer para um mundo melhor. É um livro que deveria ser lido por todos, sem distinção, o mundo seria bem melhor se todos desfrutassem dessa emocionante leitura.

Essas são algumas fotos do local onde Anne vivia, chamado por ela de "Anexo Secreto":




















É certo que já sabemos o final da história, mas é difícil não torcer para que tenha um final diferente. Com toda a certeza, esse livro vale muito a pena ser lido. Apenas leiam e leiam muito.




"Se você olhar do jeito certo, verá que o mundo todo é um jardim."






6 comentários:

  1. Olá!
    Pra mim O DDAF é um dos melhores livro que li sobre a segunda guerra até agora, ainda mais por ser fato.
    Eu fico até hoje pensando, é a visão de uma criança. É como vc disse, ela passou todo um rito de passagem prisioneira. E sim! Deveria ser leitura obrigatória.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Olá, ótima resenha. Esse é um livro que quero ler há muito tempo mas ainda não tive oportunidade. Leio bastante coisa sobre a SGM e acho importantíssimo que o assunto sempre seja lembrando para que certas coisas não se repitam na nossa História.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, se todos conhecessem o passado, tudo ficaria mais fácil.

      Excluir
  3. Oii,

    Esse livro está na minha lista de desejados, porque essa história é incrível e um clássico também. Estou para tê-lo em mãos e começar a ler.

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá
    como não amar esse livro né? Eu adoro tudo sobre a Anne e essa época no geral, muito legal sua resenha e fico feliz que tenha mexido tanto com você

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

® Faces em Livros | Layout por A Design - Ilustração por Graciele Paiva