Amiga íntima das crônicas| A distância imaginária




(Imagem retirada da internet)


Me lembro de ser uma criança bastante medrosa, corria pra cama dos meus pais na primeira oportunidade. Um pouco longe, no máximo de 3 metros deles, eu sorrateiramente saia do quarto e seguia até eles, mas a distância, até aquele conforto dos meus genitores, aparentava ser tão grande, como um buraco que nos separava. As luzes apagadas tornava tudo mais difícil de chegar até eles, mas eu sabia que estariam me esperando, sabia que o meu cantinho sempre estava separado.

Então eu resolvia dar um passinho de cada vez, mesmo na escuridão, até conseguir chegar ao meu destino final: o quarto dos meus pais. O mais engraçado era minha revolta ao amanhecer, por ver que aquela distância tão grande não passava de poucos passos. Hoje moro na mesma casa, e sim, ainda estou na cama dos meus pais, se é a pergunta, não pelo mesmo motivo, é claro. Hoje, gostamos de conversar e é divertido.

O fato é que por mais que passe o tempo eu nunca vou aprender a chegar tão rápido até eles quando estou no escuro. A vida tende a nos colocar nessas jogadas: quanto mais você complica as situações, quanto mais você faz com que as coisas sejam um corredor escuro de distância entre quartos, longe estamos de solucionar os problemas. O que torna difícil chegar ao destino que queremos, porque o percurso fica sempre mais complicado e apesar de tudo isso, algo ou alguém espera ansiosamente para que você chegue e tome o seu devido lugar, só depende de você.

Hoje eu decidi acender algumas luzes e chegar rápido, improvisar uma lanterna, criar um mapa, até mesmo um pensamento positivo: eu não vou bater em nada. nem quebrar nada até chegar onde desejo, onde eu almejo.


19 comentários:

  1. Olá,

    Gostei muito da reflexão e sua escrita é maravilhosa. Me vi totalmente imersa nos meus pensamentos. Lhe desejo muito sucesso.

    Abraços
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Viviane,fico muito feliz que tenha gostado, obrigada !
      Um grande abraço.

      Excluir
  2. Uma reflexão que faz com que olhemos as distancias que nós mesmos impomos e temos medo de transpor ela para chegar ao objetivo final.
    Adorei.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Mary, é tão bom quando podemos contar com os pais (ou pelo menos um deles) quando já somos "adultos", né?
    Minha mãe é meu porto seguro pra tudo, eu não seria nada sem ela. <3

    Lindo o seu texto!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim Sandra, a amizade mais preciosa de todas. Que coisa linda ! Muito obrigada.

      Excluir
  4. Olá!
    Que belo texto! Família é tudo nessa vida, tão bom poder contar com os pais, né? <3
    Acredito que as vezes é preciso perder o medo de se jogar no escuro para alcançar a luz. É sempre gratificante ultrapassar barreiras que nós mesmos colocamos. Adorei teu texto e as reflexões que ele me trouxe!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim, é tudo de bom <3
      Muito obrigada, um forte abraço linda !

      Excluir
  5. Olá!

    Serio, eu fico totalmente pensativa quando vejo textos filosóficos assim. Eu meio que paro para pensar em algumas coisas do meu dia a dia. Eu achei muito bonita a sua reflexão, sou fã de pessoas que tem esse dom de escrever coisas tão lindas e bastante expressivas. Parabéns e todo sucesso do mundo, linda!!

    Oxente, Leitora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo Kátia, é muito gratificante ler comentários assim, obrigada kkkkkk <3

      Excluir
  6. Que linda crônica, super bem escrita e fofa.
    Que criança não gosta do conforto da cama dos pais, né.

    ResponderExcluir
  7. Oiii!
    Gostei bastante da sua reflexão. Eu quando era criança, fui muito medrosa e tinha muitos pesadelos, então sempre me enfiava na cama dos meus pais tb rs
    Continue escrevendo!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkk sei exatamente como é Cris, muito obrigada ! Beijos

      Excluir
  8. Oii Mary, tudo bem? Que texto mais bonito! E gostei muito da reflexão. Eu corria para o quarto da minha mãe sempre que tinha pesadelos, quando criança! Hoje em dia eu não faço mais isso, mas sinto falta! Ficar perto de quem a gente ama, e de quem tanto nos quer bem, faz com que não tenhamos tanto medo, ficamos com a sensação maravilhosa de que tudo vai dar certo.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo Gabrielly, sem dúvidas é incomparável o carinho de quem a gente ama !
      Muito obrigada <3

      Excluir
  9. Parabéns pelo texto. Amo crônicas e você escreve muito bem viu!? Adorei a reflexão que o texto aborda. Um passo de cada vez, seja como for, que obstáculo haver, não deixar de seguir :)
    Abraço;

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Que texto gostoso. Todo mundo tem medo do que o escuro traz, mas nem por isso devemos deixar de fazer as coisas que queremos/precisamos.
    htttp://www.belapsicose.com

    ResponderExcluir

® Faces em Livros | Layout por A Design - Ilustração por Graciele Paiva